O regresso da múmia

Desanimem-se os haters e os invejosos que secretamente vaticinavam o funeral deste Kiss-and-Tell. Animem-se os fiéis seguidores que nunca desistiram de voltar a ler-me por aqui e não eliminaram o blog da sua lista de favoritos. A múmia pode hibernar, mas nunca morre. É pior que os vilões mais temíveis dos filmes de terror de má qualidade – Freddy Krueger? Jason? Chucky? -, que mesmo depois de esventrados, desmembrados, queimados, obliterados, reduzidos a pó e enterrados a quilómetros de profundidade, voltam sempre no frame final do filme, armados até aos dentes com catanas e moto-serras, para nos pregarem um susto de morte. É o que estou a fazer. 🙂

Agora fora de brincadeiras: a dias de fazer dois anos de vida, e depois de um ano turbulento, o Kiss-and-Tell está de volta. Foi uma hibernação forçada, causada por motivos menos bons mas que estão a resolver-se. Às vezes achamos que sim, mas depois descobrimos que não estamos preparados para enfrentar todas as surpresas que a vida nos prepara. No meu caso foi o desemprego. Não é que tenha sido surpresa. Foi o resultado de uma lenta agonia. Mas o vazio, a incerteza, a insegurança que se segue… são coisas que só sabemos o que são quando passamos por elas.

O trabalho sempre foi uma componente muito forte da minha vida. Trabalho desde os 14 anos. Licenciei-me com o objectivo de ter boas ferramentas para trabalhar. Como estagiária, jornalista, editora de uma revista, sempre vesti a camisola, dei 200%, aprendi muito, errei outro tanto, apeguei-me às pessoas que me rodeavam, vivi cada dia com muita intensidade. O trabalho era parte de mim e eu parte dele. As fronteiras esbatiam-se, por muito errado que isso possa parecer aos olhos dos puristas da separação entre vida pessoal e profissional. Estava confortável assim, sempre estive.

Sofrer um abalo assim na estrutura, aos 41 aos (demasiado nova para desistir, demasiado velha para recomeçar, uma encruzilhada), numa altura em que o jornalismo atravessa uma crise nunca antes vista, sem perspectivas de voltar ao que foi, deixa as suas marcas. Reflecte-se em tudo: na saúde, na vida familiar, na capacidade de reacção, no sentido de humor, nas finanças… e claro, na motivação para escrever. Entrei em ‘modo sobrevivência’ e as prioridades, de repente, eram outras. Recuperar forças, repensar a minha vida, tentar manter o foco e a normalidade no dia-a-dia, encontrar soluções. O blog passou para segundo plano, até porque, quando estamos no olho do furação, é muito difícil falar do que estamos a passar. É preciso algum distanciamento para processar as coisas.

Depois desta pausa, a verdade é que tenho saudades disto. De escrever, do contacto com os leitores, de contar as minhas histórias. E por isso decidi voltar. Relanço o Kiss-and-Tell hoje, de cara lavada, mais sóbrio – adeus cor-de-rosa, continuas a ser a minha cor preferida, mas por agora ficamos por aqui! – e mais clean. Um reflexo desta minha nova vida, mais centrada no essencial, com menos focos de distracção. Ainda hoje vamos ter um passatempo e vou, aos poucos, contar o que andei a fazer e as mudanças que fiz a minha vida. Espero que gostem do novo look – comentem, critiquem, eu aguento – e que continuem por aí por mais uns tempos. Obrigada pela paciência e por esperarem pela múmia.

Artigos Relacionados

7 comentários

  1. Go cunhada!!! És a ma-i-or!!!! E permite-me discordar um pouco: o teu genial sentido de humor não foi afectado pela avalanche!!! Tens esse dom de irradiar energia positiva e contiagante, mesmo quando a conjuntura é -ou parece -desfavorável! Claro que o facto de -só por acaso- seres das pessoas mais generosas e autênticas que conheço também ajuda a essa espécie de magnetismo que exerces sobre todos os que se cruzam contigo! Luv u!!!!

    1. Cunhadinha… assim ‘cê mi deixa com a lágrima no canto do olho!!! Tenho a sorte de ter uma família maravilhosa para me apoiar. Luv U too!!!

  2. Até que enfim!

    Gosto de:
    – a ver de volta
    – voltar a ter a rotina desta visita
    – o novo look mais clean, mais simplista e até, por inerencia da simplicidade, mais intimista

    Welcome back!

  3. Muita força Rita, vai correr tudo bem. Passei pelo mesmo, o ânimo esmorece e o foco passa a ser outro. Mas a vida continua e a batalha também, principalmente quando se faz o que se gosta. Feliz regresso e votos de muito sucesso. bjo

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *