Um mês a brincar às Laras Crofts…

… e ainda não estou parecida com a Angelina Jolie. Mas quem disse que quero parecer um pau-de-virar-tripas-pálido-e-de-boca-inchada? De Lara Croft, as sessões de treino no Rapid Fit & Well só têm o fato. Porque tomara a salteadora de túmulos do cinema sentir os músculos tão massacrados ao fim de um dia de set como eu senti ao fim de 20 minutos de treino.

Uma das mudanças que decidi fazer na minha vida em 2016 – aproveitando o tempo livre que passei a ter – foi voltar a fazer exercício físico. Estive praticamente dois anos parada e isso teve as suas consequências, tanto a nível físico como psicológico. Recuperar esse tempo perdido era uma prioridade, porque sempre fiz desporto e preciso dele para me sentir bem, para dormir bem, para ter apetite, para me concentrar.

Comecei devagar, pelo ioga, pelas aulas de alongamentos e pela barra de chão. Depois apaixonei-me pelas acrobacias aéreas o tecido vertical (hei-de dedicar um post só a esta modalidade, porque muita gente me pergunta o que é e tem curiosidade em perceber o que ali se faz), avancei para os pesos do Body Pump e para o Cycling, regressei à corrida e ao surf… Enfim, quando dei por mim, estava viciada, a treinar todos os dias – às vezes treinos bi-diários de mais de três horas.

Adoro experimentar modalidades novas – porque, há-que admitir: se praticarmos um desporto de que gostamos é mais fácil de manter a assiduidade, não arranjamos tantas desculpas para nos baldarmos. E não há nada mais aborrecido que a rotina no ginásio. Aquelas máquinas que já parece que fazem tudo sozinhas, sem desafio de espécie nenhuma. Eu, pelo menos, preciso disso: de me apaixonar, vestir a camisola, sentir a evolução. Tentar, cair, tentar outra vez, até conseguir. Por isso, cada vez que me aparece um convite para experimentar uma coisa nova, lá vou eu sem medos.

Já tinha ouvido falar nestes treinos com electroestimulação da Rapid Fit & Well, uma tendência que em Espanha já faz escola há uns tempos, mas que só há uns meses chegou a Portugal. Confesso que era um bocadinho céptica em relação à sua eficácia, porque já tinha experimentado uma sessão de ginástica passiva (basicamente estamos ligados ao aparelho de electro-choques mas deitadinhas numa cama, sem mexer um músculo) e não achei nada de particularmente excitante. Além disso, viciada em treinos como eu ando, achei que 20 minutos de treino eram coisa para meninos de coro. Mas mal não podia fazer, certo?

Como me enganei.

O Eneias, o meu treinador nesse dia de estreia, deve ter percebido o meu cepticismo e deu-me uma real tareia. Depois de me borrifar toda com água (era quentinha, valha-nos isso numa manhã de Fevereiro), vestiu-me o tal fato que chamo de Lara Croft mas que na realidade se chama XBody. A água serve de condutor dos estímulos eléctricos aos músculos e como o fato inclui um colete para o tronco, uns “calções” para os glúteos e coxas e ainda duas mangas para os braços, tudo ligado, através de fios, a uma máquina onde o PT encarregue do treino controla os níveis de estimulação para cada parte do corpo (são dez: quadricípetes, posteriores da coxa, abdominais, lombares, dorsais, trapézios, peitorais, bícipetes e trícipetes), vamos estar a trabalhar cerca de 90% dos músculos do nosso corpo em alta-intensidade. Os benefícios são atraentes: estímulo do metabolismo até seis vezes superior a um treino normal; perda de peso três vezes mais rápida. Claro que é preciso ter cuidado com a alimentação, beber água, blábláblá, já sabemos que não há cá milagres.

Até aqui tudo bem, nada de novo. Nem o formigueiro que se sente quando o Eneias começa a “carregar” nos botões e os estímulos começam a chegar aos músculos pretendidos. O fato é pesadote, estar molhado não é a melhor sensação do mundo, mas sobrevive-se. Quando o treino começa é que são elas! São 20 minutos mas, logo no aquecimento, a sensação que dá é que está muita coisa a acontecer ao mesmo tempo e que foge do nosso controle. Um pouco como a sensação que tinha quando andava a tirar a carta de condução: tinha de estar atenta à estrada, respeitar os sinais, fazer o pisca, tentar não atropelar os peões todos, acertar no caminho e ainda não deixar o carro ir abaixo. Uma canseira.

Ali, eu tinha de controlar a respiração debaixo de um colete apertado; acertar nas posições de equilíbrio de pilates do treino funcional que o Eneias me aplicou; manter a postura direita apesar de estar a levar “murros” na barriga a cada meio segundo (quem me mandou dizer que queria tonificar a barriga???); não desfalecer depois de executar 20 tesouras com o peso do colete às costas e mais uns exercícios com a ajuda de halteres, kettlebells, bolas medicinais e TRX… Tudo isto com 350 músculos a levaram alfinetadas eléctricas. Quando me manda deitar no colchão, achei que tinha chegado ao paraíso e já me perguntava que raio de 20 minutos eram aqueles que pareciam nunca mais acabar?! Mas não, ainda vinham aí uns exercícios de glúteo em desequilíbrio, com a bola de pilates, para acabar em beleza.

Resultado? Quatro dias de dores. Um andar novo. Gemidos ao sentar – sim, os glúteos foram os mais castigados, junto com os abdominais, sensíveis ao mais leve ataque de tosse. Mas uma vontade imensa de voltar a vestir o fatinho. Se sentimos os músculos, é porque os mexemos e eu gosto disso.

Nos treinos seguintes foram o Ricardo e o Artur que me aturaram. Não sei se foi por já não estranhar ou se o meu corpo se foi habituando: sei que, de treino para treino, as dores foram reduzindo até se tornarem quase inexistentes. Até tive saudades, confesso. Mas não me atrevi a pedir mais intensidade. Dava-me jeito continuar a andar. 🙂

Fiz uma avaliação, mas como sou péssima com números e não tomei nota de nada, só posso dizer que o Artur me deu os parabéns. Estou no bom caminho, com um peso saudável, um índice de massa gorda que não envergonha uma quarentona com queda para a doçaria e uma massa muscular bastante impressionante. E pronto, ganharam mais uma cliente. #fortíssima

 

Onde fazer?

Rapid Fit & Well da Expo, no Parque das Nações
Av. D. João II N.19 Serviço 1, 1990-078 Lisboa
Tel.: 210174837 / 931788334
E-mail: [email protected]

O que vestir?

Roupa fina e justa ao corpo. Meias, sem ténis. Não esquecer uma muda de roupa – especialmente roupa interior -, porque se fica encharcado.

Pontos Fortes:

– Rápido, eficaz e personalizado. 20 minutos equivalem a um treino de 90-120 minutos, podendo queimar-se até 600 calorias por treino.
– Balneários imaculadamente limpos e com privacidade
– Inclui toalha de treino, champô e gel de banho, loção para o corpo, bebida isotónica pré-treino e bebida proteica para depois do treino.

Preços:

Uma vez por semana: 109 euros.
Duas vezes por semana: 169 euros.
Estão ainda disponíveis vouchers para oferecer.

 

Bons treinos!

 

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *